Cecilia

***Bem-Vindos*** E um bom regresso às aulas!!

Sunday, April 30, 2006

A Papoila



A dona papoila
de saia encarnada
antes queria ser
azul ou doirada.

E o senhor malmequer
bem-me-quer
com seu fato branco
todo ele rodado
olhou para ela
todo admirado.

E a dona papoila
de saia encarnada
baixou a corola,
muito envergonhada.

Autora: Raquel Delgado

Beijocas
Cecília;)

Friday, April 28, 2006

Dia do Trabalhador- 1 de Maio


Todos os anos, no dia 1 de Maio, comemora-se, em todo o mundo, o Dia do Trabalhador.
As origens do Dia do Trabalhador não são muito recentes. A história deste dia começa no séc. XIX.
Nessa época, abusava-se muito dos trabalhadores, porque chegavam a trabalhar entre 12 e 18 horas por dia, o que era muito cansativo e até prejudicial à saúde!
Já há algum tempo que os reformadores sociais (aqueles que propunham reformas, ou seja, mudanças na sociedade) defendiam que o ideal era dividir o dia em três períodos: 8 horas para trabalhar, 8 horas para dormir e 8 horas para o resto, o que incluía a diversão.
Foi com o objectivo de lutar pelas 8 horas de trabalho diárias que, no dia 1 de Maio de 1886, milhares de trabalhadores de Chicago (EUA) se juntaram nas ruas para protestar contra as suas más condições de trabalho.
A manifestação devia ter sido pacífica, mas as forças policiais tentaram pará-la, o que resultou em feridos e mortos.
Este acontecimento ficou conhecido como "os Mártires de Chicago", por causa das pessoas que foram feridas e mortas só por estarem a lutar pelos seus direitos.
Quatro dias depois, houve uma nova manifestação pela redução do horário de trabalho e melhores condições.
Mais uma vez, a polícia virou-se contra os manifestantes e acabou por prender 8 pessoas, 5 das quais foram condenadas à forca!
Como o povo estava cada vez mais revoltado, estas condenações só serviram para "deitar mais achas na fogueira" e despertar a atenção de todo o mundo.
Em 1888, dois anos depois destes acontecimentos, os presos foram libertados por um júri que reconheceu que os trabalhadores estavam inocentes.
Em 1889, o Congresso Internacional em Paris decidiu que o dia 1 de Maio passaria a ser o Dia do Trabalhador, em homenagem aos "mártires de Chicago".
Só em 1890, os trabalhadores americanos conseguiram alcançar a sua meta das 8 horas de trabalho diárias!
Em Portugal, devido ao facto de ter havido uma ditadura durante muito tempo, só a partir de Maio de 1974 (o ano da revolução do 25 de Abril) é que se passou a comemorar publicamente o Primeiro de Maio.
Sabias que só a partir de Maio de 1996 é que os trabalhadores portugueses passaram a trabalhar 8 horas por dia?

Beijocas

Cecilia;)

Garfield

Aqui vos deixo um texto sobre o gato Garfield.
Espero que gostem.

Já ouviste falar nele, certo?E queres saber mais? OK!
Foi criado a 19 de Junho de 1978, quando Jim Davis tentava criar uma personagem que fosse ao mesmo tempo meiga, brincalhona, resmungona e cheia de truques.
Decidiu criar um gato, dar-lhe mais algumas características especiais e juntar alguns amigos: Jon, Odie, Wade, Pooky, Arlene e outros.
Garfield acabou por se transformar num fenómeno da banda desenhada.
Para além de já ter tido direito à sua própria série de televisão e um filme, as suas tiras são publicadas em mais de 2500 jornais e lidas por 160 milhões de pessoas em todo o mundo.
Mas porquê tanto fascínio?É que este gato é a combinação mais estranha que um felino poderia ser: adora lasanha, odeia as segundas-feiras, luta contra aranhas, come donuts com café e maltrata cãezinhos inocentes!


Garfield- O amigo Pooky

Pooky é apenas um urso de peluche, mas, ao mesmo tempo, é o melhor amigo de Garfield. Ao lado de Pooky, este gato preguiçoso mostra todo o seu amor.
Pooky apareceu pela primeira vez no dia 23 de Outubro de 1978 e foi-lhe oferecido por Jon.
Este ursinho é extraordinário: amável, simpático, meigo e está sempre lá quando Garfield precisa dele.
Garfield compartilha todos os seus pensamentos com ele e só dorme com Pooky ao lado.


Garfiel-O amigo Odie

Odie conheceu Garfield no dia 8 de Agosto de 1978.A sua reacção deve ter sido: "O que fiz eu para merecer isto?".
Originalmente, Odie não era o cão de Jon.Pertencia a um amigo de Jon, Lyman, que veio passar uns tempos sem ser convidado e ficou durante algumas semanas.
Quando Lyman partiu, esqueceu-se de levar Odie. O que deixou Garfield em estado de choque.
Odie é um cãozinho amável e extremamente feliz. Está sempre a abanar a cauda, a babar-se continuamente e a arfar.
Persegue o próprio rabo até cair para o lado e adora correr atrás de carros.
Garfield abusa de Odie constantemente: amarra-lhe as orelhas por baixo do queixo, enfia-lhe a boca no focinho e empurra-o diariamente para fora da mesa.
O mais estranho é que, logo a seguir, Odie parece já não se lembrar de todas estas coisas e continua amigo e feliz.
Segundo Garfield, Odie é tão burrinho que demorou três anos a aprender a respirar!


Garfield- O amigo Jon

É suposto que Jon Arbuckle tenha nascido no dia 23 de Dezembro de 1950.
Nasceu e cresceu numa quinta com um irmão. Foi para a faculdade durante alguns anos e acabou por se tornar num caricaturista mal sucedido.
Em 1978 quis ter algo para acariciar, por isso decidiu que queria comprar ou uma iguana ou um gato. Finalmente, escolheu Garfield, o gato. Jon Arbuckle gosta de:
- respirar- pôr fita adesiva na boca- jogar xadrez por e-mail- pôr cubos de gelo junto ao corpo- vestir pijamas e chinelos com coelhos- dançar a polca - deixar o cortador de relva persegui-lo pelo jardim- acha os dedos uma coisa incrível- visitar o corredor Nerd da fama- coleccionar selos- ordenar as suas meiasComo podes ver, Jon Arbuckle é uma pessoa muito estranha.


Beijocas
Cecília;)
























Saturday, April 22, 2006

Um like especial...

...aqui vos deixo um link muito especial:

wwwamigodetodos-francisco.blogspot.com

Espero que gostem.
Beijocas
Cecilia;)

A Revolução das letras


O 25 de Abril explicado às crianças


Quem primeiro deu o alerta no Quartel das Letras foi o Cabo Clarim que, farto de tocar a recolher, ou porque não, ou porque sim, anunciou de pronto a hora do motim.

Acenderam-se então os holofotes na parada, saíram as letras a correr da camarata e, quando o Comandante-General se levantou, estremunhado, e veio à janela a toda a pressa, à pressa pediu contas a cada sentinela.
"Mas que pouca-vergonha é esta?", desaprovou, o boca aberta, a língua em tropel:"Que parace que a tropa virou festa no quartel!"

Não se enganava o Comandante, ao megafone, pois já por toda a parte se ouviam toques de caixa, gaitas e trombone. Se alguém o disse, assim o fez.
As letras queriam viver em liberdade, e sem birra, nem desfeita, tinha chegado, desta feita, a ocasião de irem dizê-lo à cidade, por que não?, nem que tivesem de marchar, por terra e mar, contra a nação.
Como o que tem de ser tem muita força, e não cumprir um dever, diz o poeta, é o que há na vida de melhor, logo as letras se fardaram, a rigor, e vai de abrir caminho, numa boa, de Santarém até Lisboa, pondo de aviso Portugal de que, se não mudasse a bem, mudava a mal!
Mas por que havia de se opor, o povo português, a quem tão bem lhe queria?
Como em 1385 e em 1640, a revolta era, de resto, para levar à letra.
Heróis do mar não são heróis da treta.
E já que a pátria, em guerra, assim sofria, cada letra decidiu fazer de Abril um grande dia nos quartéis, derrubar o vinte e quatro/a vinte e cinco, com afinco, e fazer de Portugal, outro país a vinte e seis.
No Quartel das Letras, o Comandante-General é que nem queria acreditar.
Não vai que as letras, alinhadas em coluna, sem demora se dirigiram à capital, estrada fora?
E como ninguém ousou fazer-lhes frente, não tardaram a chegar às portas de Lisboa, cada um por sua vez, pelotões de letras, armados de G-3, e a jurar fidelidade a um jovem Capitão, que os comandava a bem da democracia da nação.
Já do alto do Castelo de São Jorge o sol dardejava o Terreiro do Paço e o Tejo & tudo amanheciam, quando as letras, ao romper do dia, ignorando o que podia acontecer, foram informadas que os Ditadores tinham fugido a correr, de rabo entre as pernas, rumo à fronteira e prò Brasil, apercebendo-se que morreriam nesse Abril, caso insistissem em ficar nos cadeirões de São Bento e de Belém, pudessem lá saber, por ordem de quem.
Foi então que as letras, uma a uma, combinaram avançar prò Largo do Carmo em carros de combate, ainda que isso lhes parecesse um disparate.
Só que Lisboa, nessa noite, não estava pra dormir. Chamou o povo à rua, fez história, ergueu a voz, e cantou vitória, em forma de canção.

Em nome da liberdade,
Foi-se o regime à viola.
Longe de ti, ó cidade,
Deram os tiranos à sola.

Ai deles que não dessem!
Pois mal do Quartel da Guarda veio sinal de rendição, logo as letras, de cravo vemelho na espingarda, se juntaram para decretar a Revolução.
Era o fim da Censura, da mão pesada e dura dos Coronéis, que, daí então, de bico calado e aos papéis, teriam que dar volta ao quarteirão.
E a partir de agora?
Rádios, jornais, televisão podiam já noticiar em liberdade que a Revolução iria ser coisa nunca vista, apesar do povo em festa nem sequer pensar no que iria mudar com a conquista. Cada letra era um soldado, trajado à maneira, e as multidões, do Rossio ao Camões, celebravam o fim da pasmaceira nacional, dando vivas de novo a Portugal.
Onde quer que chegassem, com beijos e abraços recebidas, as letras não podiam ser esquecidas, devendo-lhes, de ora em diante, cada cidadão o direito de ser filho da nação.
Como, além de mandar de guias a velha Ditadura, tinham as letras por missão criar ideias, logo que abriram as portas aos presos políticos nas cadeias, todo o alfabeto passou dos discursos à acção, prometendo Trabalho, Segurança, Habitação.
Isto, porém não era tudo, lá isso não, pois sem Saúde, Cultura, Educação, de nada valeria meter na linha a Reacção. Não perderam tempo, os maganões, que, pelo cheiro, puseram ao fresco o seu dinheiro; quais ricos pobretões a passear como gente bem pelos salões.
Vai daí, antes não fosse, como no conto do vigário, que à primeira quem quer cai, à segunda cai quem quer.
Entre político & militar não há que meter colher.
Pois que revolução, para inglês ver, em português- lá se foi, era uma vez...



Coro das Letras

Refrão

Somos as letras, em alta
Damos nas vistas demais.
Sempre que a língua nos falta,
Fazem de nós meros sinais.

1

Em tempo de liberdade,
Usam-nos como bandeira
Do poder e da vaidade
Que os coroa a vida inteira.



2

Em tempo de escravidão ,
Usam-nos como capachos
Da mais franca reinação
De príncipes, reles e baixos.



3

Trocando as voltas à história,
Irá Portugal onde quer,
Se a revolução for memória
Sempre que o povo quiser.

Autor-Vergílio Alberto Vieira

P.S-Aqui vos deixo um texto sobre o 25 de Abril de 1974
Espero que gostem do meu texto.
Beijocas
Cecília;)

Limousine Alentejana


Aqui vos deixo um novo modelo de Limousine:

Friday, April 21, 2006

As respostas das Adivinhas

Olá pessoal aqui tenho as respostas das adivinhas:

Adivinha 3
Suloção:Os Beijos

Adivinha4
Suloção-Grilo

Adivinha 5
Suloção-Jardim

Adivinha6
Suloção-Ouriço-cacheiro

Não fiquem tristes, porque eu vou puplicar mais adivinhas.
Beijocas
Cecilia;)

Aqui vos...

Francisco Adam




Francisco Adam (Dino dos Morangos com Açúcar) morreu num acidente de automóvel.

Todos devemos ter cuidado na estrada, se não o tivermos pode aconteçer casos como este.
Beijocas
Cecília;)

Wednesday, April 12, 2006

Um link novo

Olá, pessoal.
Vim vos trazer mais um link para voçes darem uma espreitadela:

www.oquewrestling.blogspot.com

Beijocas
Cecília;)

Monday, April 10, 2006

Adivinha 5 e 6

Sou companheiro da vivenda,
Tennho cor,sou estupendo;
Se me faltam com a água,
Fico triste e vou morrendo

Adivinha quem eu sou?

Com o pêlo me defendo,
Pois é duro e espetado;
Quando não estou seguro,
Deixo-me estar enrolado.

Adivinha quem eu sou?

Sunday, April 09, 2006

O significado da Páscoa...

A Páscoa é uma festa cristã que celebra a ressurreição de Jesus Cristo. Depois de morrer na cruz, seu corpo foi colocado em um sepulcro, onde ali permaneceu, até sua ressurreição, quando seu espírito e seu corpo foram reunificados. É o dia santo mais importante da religião cristã, quando as pessoas vão às igrejas e participam de cerimônias religiosas.


Pode-se escrever "Feliz Páscoa" em vários idiomas.Assim:

Happy Easter Joyeuses fêtes de Pâques

Feliz Páscoa

Felices Pascuas Glad Pâsk



A festa tradicional associa a imagem do coelho, um símbolo de fertilidade, e ovos pintados com cores brilhantes, representando a luz solar, dados como presentes. A origem do símbolo do coelho vem do facto de que os coelhos são notáveis por sua capacidade de reprodução. Como a páscoa é ressurreição, é renascimento, nada melhor do que coelhos, para simbolizar a fertilidade!


E o coelho?

A tradição do coelho da Páscoa foi trazida à América por imigrantes alemães em meados de 1700. O coelhinho visitava as crianças, escondendo os ovos coloridos que elas teriam de encontrar na manhã de Páscoa.

Adivinha 4

Eu canto ao desafio
Com a cigarra no Verão;
Gosto muito de alfaces
E não trabalho. ao serão.

Adivinha quem eu sou?

Um erro

Peço imensa desculpa é que houve aqui um erro, nos linkes, o da minha colega Ana Filipa e da Didi:

wwwfilipa-omeumundo.blogspot.com

e o outro é:

www.imagenssimpson.blogspot.com

Adivinha 3

Mais outra adivinha:

Antes os queira sentir
Retribuí-los com alma
Do que ter de agradecer
O favor dalguma palma.

Adivinha quem eu sou?

Páscoa

A tradição portuguesa desta quadra são as amêndoas e o folar. Porém, já está muito vulgarizado entre nós o custume dos ovos da Páscoa, geralmente em chocolate, que nos vem da França e da Alemanha. Na idade média, a penitência quaresmal proibia aos Cristãos comerem ovos, banha, manteiga, além de carne.
Assim, no domingo de Páscoa os ovos eram presentes desejados e apreciados. Os reis e os nobres ofereciam-nos decorados com belas pinturas; daí o uso de se colorirem as cascas dos ovos.
Em França diz-se às crianças que os sinos foram a Roma e no regresso quando reprica a Aleluia lançam ovos de chocolate ou de açúcar sobre os campos e jardins.

A VENCEDORA

A nossa vencedora da adivinha nº1 é a minha colega ANA FILIPA!!!!!!!!!!
Parabêns

O VENCEDOR

O nosso vencedor da adivinha nº2 é:

O meu colega VASCO!!!!!!!!!!!!!
Parabêns Vasco.

Beijocas
Cecilia;)

Link

Adivinha1

Olá, aqui vos deixo uma adivinha:

Beijo os reis e as donzelas,
Ninguém fica por picar;
Nos pratos mais requintados
Eu consigo lá poisar

Fico à espera de respostas
Beijocas
Cecília;)

Adivinha 2

O meu nome é pouco limpo,
Pelo dono sou cevado,
Quando tenho bons quilos,
Por ele sou devorado

Adivinha quem eu sou?

Apresentação

Olá, eu sou a Cecília!
Espero que gostem do meu novo blog.
Aqui vão encontrar histórias,anedotas,adivinhas e outras coisas mais.
Fico à espera de commentes.
Beijocas